...
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
19/05/2017

STF abre inquérito

PUBLICIDADE

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura de inquérito para apurar se o presidente Michel Temer cometeu crime de obstrução à Justiça com base na delação premiada dos irmãos Batista, do grupo JBS. Os empresários Wesley e Joesley Batista entregaram aos procuradores uma gravação em que Temer é informado que a JBS mantinha um representante infiltrado na força-tarefa da Lava Jato. Joesley também informa a Temer que estava “segurando” juízes e buscava “trocar” um procurador que estava lhe investigando. 
Quando é informado por Joesley que o empresário estava “de bem” com o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, que está preso, Temer responde: “Tem de manter isso, viu?”. Segundo a reportagem apurou, ainda em abril, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, fez consultas a Fachin sobre a possibilidade de investigar Temer. Quanto um ex-executivo da Odebrecht afirmou em sua delação que o presidente comandou em 2010, quando era candidato a vice, uma reunião em São Paulo em que se acertou o pagamento de US$ 40 milhões de propina, Janot escreveu em despacho que outros citados deveriam ser investigados “com exceção do atual presidente da República, Michel Temer” que “possui imunidade temporária à persecução penal”. Alegou que, pela Constituição, o presidente, na vigência de seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos anteriores. A tese, porém, é motivo de controvérsia entre especialistas. (Folhapress)

 COMENTÁRIOS