...
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Da redação 12/01/2018

Polícia Civil opera com redução no efetivo

Estimativa é de 5 mil funcionários em falta no Estado de São Paulo; deficit prejudica trabalhos

  
Delegacia Seccional de Jaú registra aposentadoria de seis profissionais no início deste ano Beatriz Zambonato Santos

O “Diário Oficial do Estado” publicou no último sábado a aposentadoria de seis policiais civis que trabalhavam na Delegacia Seccional de Jaú. A parada dos profissionais alerta para o deficit de efetivo alegado pela Polícia Judiciária há vários anos.
De acordo com o delegado seccional em Jaú, Ricardo Silva Dias, a defasagem do quadro funcional é anterior a estas atuais aposentadorias. “A polícia envelheceu. Foram muitos anos sem a realização de concursos públicos, e uma série de aposentadorias que sem que houvesse substituições.” Dias, avalia que, apesar das dificuldades enfrentadas por conta das equipes reduzidas, a cidade tem recebido paulatinamente novos profissionais. “Não repõe totalmente o quadro, mas já dá um fôlego”, completa.
O presidente do Sindicato dos Investigadores de Polícia do Estado de São Paulo, João Batista Rebouças, avalia que o deficit chega a 5 mil homens. “Estão em processo mais de 1,8 mil aposentadorias e a defasagem tende a aumentar.” 
Segundo Rebouças, em 2013 o Estado contabilizava 32 mil policiais civis em exercício. Em cinco anos, o número caiu para 23 mil. “A situação é caótica. O governo parece que não gosta da Polícia Civil, é falta de vontade política. Precisa investir em homens, dar condições para a polícia trabalhar”, afirma. 
Os policiais civis que se aposentaram integravam setores de gestão na Delegacia Seccional - cuidavam das ações criminais ou da frota de viaturas do órgão. O delegado afirma que a alternativa será realocar os profissionais de modo que não prejudique os serviços prestados à comunidade. 
Além disso, Dias ressalta a esperança de voltar com funcionamento normal em breve. “Acredito que no final de fevereiro ou no começo de março a delegacia receberá novos policiais e, aos poucos, vamos recuperando nosso quadro funcional. Meu maior desejo é prestar o melhor serviço possível para a população”, ressalta.

Impacto

A diminuição no número de funcionários impacta nos serviços prestados pela instituição, promovendo fechamento de delegacias ou atribuindo ao profissional outras funções que não são dele. De acordo com Rebouças, é por esse motivo que somente 2% dos mais de 130 mil inquéritos são resolvidos no Estado de São Paulo. 
Em dezembro de 2017, o delegado-geral da Polícia Civil do Estado de São Paulo, Youssef Abou Chahin, veio a Jaú para visita e, durante entrevista coletiva, falou sobre o deficit de pessoal. Segundo Chahin, foram chamados mais de 900 homens que constavam na lista de remanescentes de concurso realizado em 2013. Além disso, foram abertas mais 2.750 novas vagas na tentativa de repor o número de policiais.

 COMENTÁRIOS