...
PUBLICIDADE
13/01/2018

Projeto é destaque em mostra científica

  
Karen Franco de Godoi Cardoso: "São muito importantes para mim, para a comunidade escolar e para a cidade" Fotos: Beatriz Zambonato Santos

Após a inscrição na 5ª Mostra de Ciências e Tecnologia Instituto 3M, há quase um ano, a professora de ciências Karen Franco de Godoi Cardoso, 39 anos, e a estudante Eduarda Turini Souza, 15 anos, talvez não imaginassem o quão árduo, mas também o quão compensador seria o caminho trilhado desde aquele momento. No fim de 2017, Karen obteve o segundo lugar na categoria professor mobilizador e pensa em seguir com a pesquisa em um pós-doutorado. Eduarda também tomou gosto pela ciência. Ambas são do Colégio Galileu, de Jaú.
A mostra foi criada justamente para incentivar o espírito científico e a criatividade de jovens estudantes pela ciência. As pesquisadoras jauenses se propuseram a investigar a adulteração de mel de abelha a partir da análise isotópica de carbono 13. Para isso, contaram com a parceria do Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Botucatu, onde foram feitas as análises laboratoriais. 
Geralmente, os produtores adicionam ao mel puro açúcares comerciais oriundos da cana ou do milho, adulterando o produto. Tais substâncias estranhas ao mel são detectadas em uma análise isotópica com muito mais rigor do que numa análise físico-química. A pesquisa de Karen e Eduarda analisou nove amostras de méis comerciais selecionadas aleatoriamente. Resultado: cinco estavam adulteradas. “Em uma das amostras, por exemplo, encontramos 14% de adulterantes, como xarope de milho, mas a análise isotópica consegue identificar 3% ou até menos”, afirma a professora. Essa técnica é um dos métodos-padrão para determinar a adulteração do mel nos Estados Unidos e Europa, desde o início da década de 90.
“Foi uma experiência incrível! Obtive um crescimento pessoal e de conhecimento com este projeto. Sempre quis ser arqueóloga, mas apaixonei-me por esta parte da ciência”, conta Eduarda, que aproveitou os dois dias da mostra, no fim de novembro, em Sumaré, para ampliar a rede de contatos. 

Relevância

Na ocasião, participaram apenas os cem projetos finalistas, dos 264 inicialmente inscritos. “Essa participação e a premiação são muito importantes para mim, para a comunidade escolar e para a cidade. Havia somente instituições de alta relevância envolvidas”, comemora Karen. (BZ)

Galeria de imagens:(Clique para ampliar)

 COMENTÁRIOS