...
PUBLICIDADE
João Guilherme D"Arcadia 25/03/2018

Sinal analógico será desligado em 9 meses

Desligamento em Bauru confunde usuários de Jaú; venda de conversores aumenta

  
Presidente da Anatel, Juarez Quadros (à esq.) entrega kit para sinal digital para Ana Sueli Coutinho, em Bauru Divulgação/Anatel

Em 28 de novembro, o sinal analógico da TV aberta será desligado em Jaú. Quem não tiver adaptado a televisão e a antena, poderá ficar sem o serviço. Em Bauru, o sinal exclusivamente digital chega mais cedo – na próxima quarta-feira. Por causa disso, muitos usuários jauenses ficaram confusos com relação à migração.
A proprietária da Casa das Antenas, Selma Kátia Dadamos Moreno, observou o aumento da procura pelo conversor e pela antena UHF nas últimas semanas. Nada impede que o consumidor se antecipe na compra – mas, por enquanto, nada muda para quem só tem o sinal analógico.
“A procura aumentou, e nós temos orientado que a mudança só acontece em novembro. As pessoas podem mudar agora, mas só assistirão aos canais que já possuem o sinal digital”, explica.
Em média, o conversor custa R$ 90. O equipamento é necessário para quem possui TV de tubo ou aparelhos de tela plana e LED fabricados antes de 2010. Quem possui televisor fabricado depois desse ano provavelmente vai precisar comprar somente a antena UHF, que custa R$ 50. Na dúvida, é melhor consultar o manual ou verificar se o aparelho possui o selo DTV.
O kit será entregue gratuitamente para beneficiários de programas sociais (leia texto).
O sinal digital possui qualidade superior de imagem e de som. A tecnologia não está sujeita a chiados ou interferências: ou o canal “pega” ou “não pega”. Em algumas emissoras, é possível usufruir da multiprogramação: “canais” da mesma emissora ou rede, ocupando quatro faixas no mesmo número do dial. É o caso da rede legislativa (61-1, 61-2, 61-3 e 61-4, da TV Câmara). Nas redes comerciais, por enquanto, o serviço não existe.

Patamar

Em entrevista ao Comércio, o superintendente de outorgas da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Vitor Elisio Menezes, explica que a adesão ao sinal digital põe o Brasil no mesmo patamar que a maioria dos países.
O cronograma de migração nas cidades foi definido a partir de estudos que levaram em conta a distribuição dos canais pelo interior e medidas para minimizar os impactos da digitalização.
“Em 2018, o sinal analógico será desligado para 62% da população brasileira. A maioria dos canais digitais já está disponível, e nós trabalhamos, nesse caso, com a transmissão simultânea”, explica.

Galeria de imagens:(Clique para ampliar)

 COMENTÁRIOS