...
PUBLICIDADE
29/06/2018

Bariri inaugura Museu Mário Fava em julho

Espaço apresenta legado de desbravadores brasileiros que percorreram as 3 Américas em Ford T

  
Ford T estará exposto em museu de Bariri, que fica no Centro da cidade Click Foto e Vídeo Bariri

A história extraordinária dos três expedicionários que partiram do Rio de Janeiro com destino a Nova York rompeu fronteiras e inspirou escritores a narrar a viagem ocorrida entre 1928 e 1938. Os aventureiros brasileiros, dois paulistas (um de Bariri e o outro de Descalvado) e um catarinense (de Florianópolis), mapearam a Estrada Pan-americana, passaram pelas três Américas e, ao final da jornada, foram recebidos na Casa Branca pelo presidente Franklin Delano Roosevelt e pelo empresário Henry Ford. No Brasil, foram recebidos pelo presidente Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro, entre outras personalidades influentes da época.

Toda essa aventura pode ser apreciada e acompanhada pelas páginas dos livros “O Brasil através das Três Américas”, do bauruense Beto Braga e “Eu não Sabia que era Tão Longe”, do baririense Osni Ferrari. As obras revelam detalhes e curiosidades de uma história, até então, pouco conhecida, e foram vendidas em todo o Brasil e em vários países da América Latina, México e Estados Unidos.

Mais de 80 anos após Mário Fava, Leônidas Borges de Oliveira e Francisco Lopes da Cruz percorrerem 27.631 quilômetros, um grupo de amigos se reuniu para realizar um novo sonho, fundar o museu que leva o nome do intrépido mecânico baririense que integrou a Carretera Pan-Americana.

Estrela

A partir do dia 21 de julho, em prédio histórico, fincado na Rua Tiradentes, no Centro de Bariri, os visitantes vão conhecer toda essa viagem e uma das estrelas da expedição: o Ford T (1918/1919), um dos dois automóveis (o outro foi uma caminhonete, também da linha T da Ford, de 1925) que conduziu os três aventureiros por picadas, rios, matas e pelos poucos quilômetros de estrada que existiam na época, por 15 países das três Américas.

O arquiteto Luís Carlos Viccari Filho é o responsável pela obra iniciada em agosto de 2016 e conta com a coordenação de Ângelo Roberto Falseti. Por conhecer toda a história da sede coube ao historiador José Augusto Barboza Cava fornecer as informações de como era originalmente o prédio que abrigará o museu.

Patrimônio histórico de Bariri, o prédio, que já foi sede da Sociedade Italiana de Beneficência 4 de Novembro, foi o local escolhido pelo grupo formado por Aziz Chidid Neto, Ari Francisco Fiadi, José Augusto Barboza Cava, Osni Ferrari e Ângelo Roberto Falseti, fundadores do museu para preservar a memória da façanha que faz parte da história do município. Durante a inauguração haverá o lançamento do livro “Museu Mário Fava – Histórias de Bariri”, do escritor José Augusto Barboza Cava. (Luciana Oliveira/Lettera Comunicação)

 COMENTÁRIOS