...
PUBLICIDADE
12/07/2018

Croácia fará final inédita contra França

Será o terceiro estreante em decisões em duas décadas de Mundial

  
Mandzukic celebra o gol que definiu a virada contra a Inglaterra Fotos: Fifa.com

Ausente de qualquer relação de favoritos e com apenas cinco Mundiais disputados, a Croácia chega pela primeira vez a uma final. Em campo no jogo que definiu a classificação inédita, teve "jogadores com metade da perna", segundo o técnico Zlatko Dalic, após a vitória. A definição resume o grau de emoção da semifinal na qual o time balcânico derrotou a Inglaterra de virada, por 2 a 1, em Moscou.
Intrusos na festa quase sempre dominada por equipes já campeãs, os croatas enfrentarão os franceses na final, a ser jogada no palco da partida desta quarta-feira, o Estádio Lujniki, às 12h de domingo. A França chega com status de favorita e luta pelo bicampeonato mundial contra o time desta Copa que tem a história mais recente no torneio, tendo surgido dos escombros da antiga Iugoslávia em 1990. Será o terceiro estreante em finais em duas décadas. Em 1998, a França foi campeã, em casa, e em 2010 foi a vez de a Espanha levar o título na África do Sul. A Croácia supera sua campanha de 1998, quando estreou em Mundiais e só foi barrada na semifinal pelos mesmos franceses que irá enfrentar agora, 20 anos depois.
Croácia e Inglaterra caíram na chave mais fraca, com menos campeões mundiais, a partir das oitavas de final da Copa. Enquanto do lado croata ficaram pelo caminho Espanha, Rússia e Dinamarca, na chave francesa foram eliminados favoritos como o Brasil, Portugal, Argentina e a Bélgica.
Derrotada pela França na semifinal, a equipe belga pega a Inglaterra na disputa do terceiro lugar, às 11h deste sábado, em São Petersburgo.

Energia renovada

Os ingleses tinham um conjunto de jovens talentos, enquanto os croatas traziam a campo uma geração que provavelmente não jogará mais Copas, como Modric e Mandzukic, ambos com 32 anos. Mas o fôlego inglês do goleador da Copa, Harry Kane, 24, e do meia Dele Alli, 22, só se fez presente no primeiro tempo, quando a Inglaterra abriu vantagem numa cobrança de falta do lateral direito Trippier.
Ao longo do jogo, uma questão política se colocou. Cada vez que o zagueiro Vida tocava a bola, a maioria russa no Lujniki vaiava o zagueiro.
Ele havia dedicado a vitória sobre o time da casa nas quartas à Ucrânia, rival de Moscou. Pediu desculpas, assim como a torcida croata agradeceu aos russos numa faixa, mas não deu certo. No segundo tempo, o cansaço croata parecia mais evidente, mas o time se superou em raça. O jogo ficou mais pegado, com um cartão amarelo para cada lado, e nervoso.
Em mais uma bola parada, Perisic venceu Walker e escorou para o gol aos 23 minutos. O jogo então virou, com uma "blitzkrieg" de energia renovada da Croácia, com diversas chances de virada. A Inglaterra se desequilibrou e a partida foi para a prorrogação. Os croatas voltaram melhor, carregados por Perisic. Aos 2 minutos do segundo tempo da prorrogação, ele garantiu o título de homem do jogo ao colocar Mandzukic na cara do gol e definir a virada e a festa croata. Agora, Perisic irá enfrentar o país que o recebeu aos 17 anos. "Minha mãe sonhava com uma final entre Croácia e França", afirmou.
Sua ida para o país rival serviu para salvar um negócio familiar que não ia bem: a granja de seu pai na cidade croata de Omis. Mas sua saída do Hajduk Split, onde começou, não foi da forma mais amistosa. Sem avisar o clube croata, Perisic tomou um jato privado enviado pelo Sochaux e foi para a França. Lá acertou com o clube francês. Junto com ele foram a sua mãe e irmã. Após uma disputa, o Sochaux aceitou pagar 360 mil euros (R$ 1,62 milhões na cotação atual) para ter Perisic. Quase uma década depois do ocorrido em 2006, uma explicação clara foi dada.
O pai de Perisic, Ante Perisic, forçou a barra para o filho ir embora. Estava em dificuldades financeiras e o dinheiro salvou o negócio familiar. "Não sabia porque estava indo e só anos depois soube que foi por causa de problemas familiares", afirmou o jogador que abandonou a Croácia e 12 anos depois garantiu o maior feito do país no futebol. (Folhapress)

CROÁCIA – 2
Subasic; Vrsaljko, Lovren,
Vida, Strinic (Pivaric);
Rakitic, Brozovic, Rebic
(Kramaric), Perisic, Modric
(Badelj); Mandzukic (Corluka)
Técnico: Zlatko Dalic

INGLATERRA – 1
Pickford; Walker (Vardy),
Stones, Maguire; Trippier,
Dele Alli, Henderson
(Dier), Lingard, Young
(Danny Rose); Sterling
(Rashford), Harry Kane
Técnico: Gareth Southgate

Gols: Trippier, aos 5 min do 1ºT; Perisic, aos 23 min do 2ºT; Mandzukic, aos 2 min do 2ºT da prorrogação

Galeria de imagens:(Clique para ampliar)

 COMENTÁRIOS