...
PUBLICIDADE
07/08/2018

Servidores entram em greve em Bocaina

  
Servidores param atividades em Bocaina e reivindicam reajuste salarial Kiko/Bocaina Informa

Servidores municipais de Bocaina iniciaram greve na manhã de ontem reivindicando reajuste salarial de 2,95% e aumento de R$ 100 no vale-alimentação, ampliando de R$ 400 para R$ 500 o benefício. 
De acordo com o Sindicato do Servidor Público Municipal, a estimativa é que 200 funcionários, entre trabalhadores das áreas da saúde, educação e meio ambiente, tenham aderido à paralisação dos serviços. 
Grupo de grevistas foi até a sede da prefeitura na manhã de ontem e protestou com cartazes e faixas. O presidente do sindicato dos servidores municipais, Adilson Augusto Mello, informou que a Câmara da cidade protocolizou denúncia no Ministério Público informando sobre o porcentual de funcionários que ocupam cargos de confiança. “Há 90% de cargos que não são de carreira, com salários muito altos e benefícios. Isso impede que seja dado o reajuste para os trabalhadores”, comenta.
O sindicato tenta negociação com a administração desde março. O prefeito pediu prazo de três meses para diminuir os gastos. No entanto, além da recusa por parte do órgão, não há informação de contraproposta para os servidores.
Em nota divulgada pelo setor de comunicação, a prefeitura alega que foi feito estudo e que o pagamento de valor maior do que o proposto pode acarretar impactos na economia da cidade e que haveria comprometimento de obras que estão em andamento. Ainda segundo a nota, a prefeitura não pode ceder ao índice reivindicado pelos manifestantes sem infringir a Lei de Responsabilidade Fiscal, configurando crime contra o município. 

Negociação

A greve foi decidida em assembleia realizada no dia 24 de julho após o prefeito Marco Antonio Giro (PPS) negar o reajuste nos salários dos servidores, que contabilizam aproximadamente 500 pessoas.
A prefeitura informou que quinta-feira haverá audiência em São Paulo para discutir o impasse. No entanto, o representante do sindicato afirmou que ainda não foi notificado formalmente sobre a reunião. (EC)

 COMENTÁRIOS