...
PUBLICIDADE
10/10/2018

Chuvas trazem riscos para segurança

Duas árvores caíram durante temporal; Defesa Civil é acionada em três pontos da cidade

  
Com chuva, árvore cai na Avenida Rodolpho Magnani e destrói parte de calçada Laura Agostinho

Apesar de faltar pouco mais de dois meses para o verão, as altas temperaturas já são comuns em Jaú e região. A aproximação do período com calor mais intenso alerta para o início da temporada de chuvas no Município e aos problemas relacionados à época, como descargas elétricas, enxurradas e quedas de árvores.
Na noite de segunda-feira, duas árvores caíram e três pontos de Jaú apresentaram problemas por conta da chuva. No dia, a precipitação foi de 47,25 milímetros, de acordo com a Estação Hidrometeorológica da Faculdade de Tecnologia (Fatec) de Jaú.
Segundo levantamento da estação, o horário de pico da chuva foi entre 23h30 a 23h50. “Alguns pontos apresentaram acúmulo de água por conta da chuva forte em curto espaço de tempo”, ressalta o coordenador voluntário da Defesa Civil de Jaú Valdir Baltazar.
Na tentativa de evitar situações de risco causadas pelas chuvas, a Defesa Civil formula relatório para cientificar a Secretaria de Mobilidade Urbana sobre os pontos considerados críticos para o período e solicitando a limpeza das bocas-de-lobo. O secretário, Sigefredo Griso, afirma que o serviço de desobstrução já é realizado pela equipe para auxiliar no escoamento da água.
Área conhecida por conta da enxurrada é a rotatória da Avenida Dr. Quinzinho com a Rua Rolando D’Amico, na Vila Assis. O local registrou acúmulo de água por aproximadamente 30 minutos durante a chuva da última segunda-feira. Próximo do endereço, na Avenida Rodolpho Magnani, uma árvore caiu e destruiu parte da calçada na madrugada de ontem. A área foi interditada para ações da Prefeitura. “Nesses locais as bocas-de-lobo não são suficientes quando há chuva mais forte e brusca e se forma a bacia d’água”, diz Baltazar.
A Defesa Civil também foi acionada para atender ocorrência na Chácara Flora, em Jaú. No local foi registrado acúmulo de lama e a via precisou ser interditada. Após limpeza, foi liberada. No Jardim Santo Onofre, a água entrou em três residências. “Ali é sempre assim. A enxurrada entrou na garagem e corredor das casas. Um morador já precisou ser retirado do imóvel em outra situação”, afirma o coordenador. 
Na Avenida Netinho Prado, uma árvore cedeu por conta da chuva forte e precisou ser cortada pelo Corpo de Bombeiros de Jaú, por volta de 0h de ontem.
De acordo com a Defesa Civil, costuma apresentar problemas em época de pancadas de chuvas os Jardins Maria Luiza 4, Nova Jaú, Padre Augusto Sani e São José. 

Limpeza

Um problema que pode agravar a situação do acúmulo de água são as bocas-de-lobo entupidas com folhas, flores e lixo. A queda de folhas é comum nesta época do ano, no entanto, o Município está sem servidores para realizar o trabalho de varrição desde agosto. 
O secretário de Meio Ambiente de Jaú, Eduardo Abussamra, informou em entrevista concedida no dia 19 de setembro que será aberta licitação no modelo carta-convite para contratação emergencial de 12 varredores para o serviço até que outra empresa seja escolhida.  
Além do trabalho realizado pela Prefeitura, o coordenador avalia que é necessário que a população evite deixar na rua materiais que possam entupir as bocas-de-lobo. “A sujeira deixada na rua e o lixo colaboram para o acúmulo de água”, comenta Baltazar.

 COMENTÁRIOS