...
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Reinvenção da moral

POR José Renato Nalini 13/06/2018
Todos parecem querer “O Brasil passado a limpo”. A devassa na administração pública, a incestuosa relação entre governo e empresariado, a sensação de que os desmandos atingiram estágio de evidente insuportabilidade pela parte saudável da Nação reclamam algo diferente do que até aqui se fez. O Brasil já passou por muitas crises. Nenhuma com tantos ingredientes nefastos como a do presente momento.
Coincidem o escancarado atraso em inovação, criatividade e empreendedorismo, a insuficiência dos recursos estatais para atender à crescente demanda de direitos, interesses, utopias e delírios, a falência da democracia representativa e o desalento geral. Este é o pior componente da policrise.
Ninguém acredita em ninguém. Os discursos se repetem numa identidade insossa e sem imaginação. Não se capta honestidade, franqueza e verdade nos pronunciamentos. O instrumento mais utilizado para quem ainda assiste a TV é o “zap” para mudar de canal. As redes sociais pululam de comentários irônicos, debochados, sarcásticos e cruéis. 
Não é com esse clima que o Brasil encontrará forças para reagir a tal nefasto estado de coisas.
Quem é que teria condições de reacender no coração brasileiro a fagulha da confiança em alguém que se propusesse a transmitir a mensagem de esperança?
Existem pessoas ainda não contaminadas? Difícil distingui-las, pois se mesclam a ligações mais do que suspeitas. Não conseguem se desvencilhar de más influências. O ambiente político é confuso, pois a generalização leva a todos a desconfiarem de todos. Quem sobraria, neste cenário, para a recuperação da moral nacional?
Nada faz tanta falta ao Brasil como a ética. A ciência do comportamento moral do homem em sociedade. A contínua busca do bem. A reta intenção. O respeito ao semelhante. A observância estrita e, na prática, ao princípio da dignidade do ser humano.
Tudo isso foi se perdendo em meio ao desvario do egoísmo, do consumismo, do artificialismo e da cultura do descarte. Tudo é descartável nesta era. A começar da humanidade. 
A alternativa ao caos é reagir a este clima turvo. Atuar com as crianças, que nascem puras e assimilam as lições do exemplo, mais do que as aulas ministradas por educadores em grande parte desanimados. 
A boa notícia no oceano de anomalias é o projeto que Maurício de Sousa desenvolverá com as crianças brasileiras, aquelas que aprendem a ler com suas revistas, no sentido de ressuscitar o conceito de ética e de cidadania. 
Começar com aqueles que ainda têm salvação. Quanto aos demais, aguardar que se comovam com a redescoberta daquilo que se esqueceram no enfrentamento das vicissitudes cotidianas.   

José Renato Nalini é desembargador, reitor da Uniregistral, palestrante e conferencista.